Picanha recheada com provolone

Envie uma foto desta receita! Adicionar ao livro
Ingredientes
  • Sal temperado a gosto,
  • 250g de queijo provolone cortado em tiras
  • 200g de queijo mussarela cortado da mesma forma,
  • 1/2 xícara (chá) de pepino em conserva,
  • 2 pimentas vermelhas dedo de moça sem sementes cortadas em tiras
  • galhos de alecrim a gosto,
  • 1 cebola grande cortada em rodelas,
  • 10 dentes de alho com casca ligeiramente amassados,
  • 300g de batata (bolinha),
  • 200g de cenoura,
  • 100g de tomate,
  • 2 folhas de louro,
  • 200g de cebolinha (bolinha),
  • 1 copo (tipo americano) de vinho branco seco,
  • 100g de manteiga sem sal.
Como fazer
  1. Tempere a picanha com sal temperado a gosto, por dentro e por fora.
  2. Recheie a picanha com as tiras: 250g de queijo provolone e 200g de queijo mussarela, intercalando com 1/2 xícara (chá) de pepino em conserva, 1 pimenta vermelha sem sementes em tirase o alecrim a gosto.
  3. Recheie bem, costure a picanha (com agulha e barbante).
  4. Depois, coloque uma cebola grande cortada em rodelas numa forma retangular, coloque sobre a picanha a cebola e, ao redor, coloque 10 dentes de alho com casca ligeiramente amassados, 300g de batata bolinha, 200g de cenoura, 100g de tomate, 1 pimenta sem sementes cortada em tiras alecrim a gosto, 2 folhas de louro e 200g de cebolinha bolinha.
  5. Regue com 1 copo (americano) de vinho branco.
  6. Distribua 100g de manteiga sem sal, cortada em cubinhos, por cima da picanha.
  7. Cubra com papel-alumínio, tendo o cuidado de fechar bem a forma (tipo cabaninha) e leve ao forno pré-aquecido (180-200 graus) durante 40 minutos.
  8. Retire o papel-alumínio e deixe dourar por cerca de 25 minutos, pincelando com o próprio caldo da carne.
  9. Pronto! Já pode servir para seus familiares e amigos e tenho certeza que todos vão gostar muito.
  10. Até mais.

Como sabemos, fazer o que se gosta é o melhor meio de fazer algo bem feito. Na cozinha é a mesma coisa… Para que uma receita dê certo e agrade a quem vai degustá-la, é preciso colocar uma dose extra de prazer em seu preparo.
Por exemplo: não importa o que faço na cozinha, pode ser um simples arroz, faço com vontade e amor, pois amo o que faço e sinto orgulho dos resultados obtidos. Esta é a técnica básica de motivação que pode ser aplicada em tudo o que fazemos em nossa vida. Venho de uma familia de italianos e portugueses, "bela mistura", humilde, trabalhadora e que não dispensa uma boa comida. E foi dessas raízes que adquiri o gosto pela culinária. Desde criança olhava minha mãe, filha de portugueses, a fazer a comida e nos dias em que meu pai estava em casa, de folga no trabalho, ele também, filho de italianos, literalmente colocava a mão na massa: fazia deliciosas polentas com rabo de vaca, macarronada, e,é claro, adorava um bom vinho. Tenho muita vontade de montar uma cantina ou coisa parecida e assim me realizar por completo... Espero que todos gostem de tudo que publicarei daqui pra frente, e que, daqui alguns anos, possa contar o meu sonho realizado. Um grande beijo a todos.
www.moscasfritas.blogspot.com





Receita indicada por Helder Manfredi
Tags: Mussarela, Manteiga sem sal, Carne, Churrasco, Pratos principais, Manteiga, Cebolinha, Alecrim, Pepino, Provolone, Louro, Receitas de Picanha, Vinho branco seco, Alho, Pepino em conserva
Esta com dúvidas sobre esta receita? Tente o nosso fórum culinário!

Reportar erros nesta receita

Vídeos relacionados:

Você também pode gostar ...

Envie uma foto desta receita! Adicionar ao livro
Este comentário foi relevante? 0

Como sabemos, fazer o que se gosta é o melhor meio de fazer algo bem feito. Na cozinha é a mesma coisa… Para que uma receita dê certo e agrade a quem vai degustá-la, é preciso colocar uma dose extra de prazer em seu preparo.

Por exemplo: não importa o que faço na cozinha, pode ser um simples arroz, faço com vontade e amor, pois amo o que faço e sinto orgulho dos resultados obtidos. Esta é a técnica básica de motivação que pode ser aplicada em tudo o que fazemos em nossa vida. Venho de uma familia de italianos e portugueses, "bela mistura", humilde, trabalhadora e que não dispensa uma boa comida. E foi dessas raízes que adquiri o gosto pela culinária. Desde criança olhava minha mãe, filha de portugueses, a fazer a comida e nos dias em que meu pai estava em casa, de folga no trabalho, ele também, filho de italianos, literalmente colocava a mão na massa: fazia deliciosas polentas com rabo de vaca, macarronada, e,é claro, adorava um bom vinho. Tenho muita vontade de montar uma cantina ou coisa parecida e assim me realizar por completo... Espero que todos gostem de tudo que publicarei daqui pra frente, e que, daqui alguns anos, possa contar o meu sonho realizado. Um grande beijo a todos.

Moscas Fritas - em 13/12/2010
Vídeos - Como Fazer