Docinho de abóbora caramelado

Envie uma foto desta receita! Adicionar ao livro
Ingredientes
  • Ingredientes:
  • -1/2 kg de abóbora-moranga picada
  • -1 gema peneirada
  • -2 colheres (sopa) de manteiga
  • -1 caixinha de leite condensado
  • -2 xícaras (chá) de coco fresco ralado
  • -1 colher (chá) de cravo-da-índia em pó
  • calda
  • -2 xícaras (chá) de açúcar
  • -1 colher (sopa) de vinagre
Como fazer
  1. Modo de preparo: Leve ao fogo uma panela com a abóbora e 2 xícaras (chá) de água por 15 minutos, ou até ficar macia.
  2. Retire do fogo, escorra a água e passe a abóbora, ainda quente, pelo espremedor, aparando o purê em uma panela.
  3. Misture a gema metade da manteiga, o leite condensado, o coco e o cravo.
  4. Leve ao fogo baixo e cozinhe, sem parar de mexer, por 15 minutos, ou até obter um doce encorpado que desgrude do fundo da panela.
  5. Retire do fogo, transfira o doce para uma tigela, cubra com o filme plástico e deixe amornar por 15 minutos.
  6. A seguir, Unteas mãos com a manteiga restante e faça 40 bolinhas de 2 cm de diâmetro.
  7. Coloque-as em um refratário e leve à geladeira por 1 hora.
  8. Calda: leve ao fogo em outra panela o açúcar, 1 xícara (chá) de água e o vinagre e deixe cozinhar, sem mexer, até obter uma calda caramelada em ponto de fio grosso.
  9. Com um auxílio de um garfo, banhe as bolinhas na calda, retirando o excesso, e disponha-as em 2 fôrmas forradas com papel-manteiga.
  10. Se preferir, decore com fios de caramelo.
SITE DE BRUXIHAS.


Receita indicada por gracia teodoro
Tags: Abóbora moranga, Doces, Cravo da Índia, Leite Condensado, Vinagre, Açúcar, Receitas com Abóbora, Docinhos
Esta com dúvidas sobre esta receita? Tente o nosso fórum culinário!

Reportar erros nesta receita

Vídeos relacionados:

Você também pode gostar ...

Envie uma foto desta receita! Adicionar ao livro
Este comentário foi relevante? 0

A LENDA DA BRUXA

O Jovem Rei Arthur foi surpreendido pelo monarca de um reino vizinho quando entrava furtivamente num bosque.

O Rei poderia tê-lo mandado matar, pois tal era o castigo para quem violasse as leis da propriedade, contudo comoveu-se perante a juventude e a simpatia de Arthur e ofereceu-lhe a liberdade, desde que no prazo de um ano trouxesse a resposta a uma pergunta difícil.

A pergunta era: O que é que realmente as mulheres querem?

Semelhante pergunta deixaria perplexo até o homem mais sábio, e ao jovem Arthur pareceu-lhe impossível obter a resposta.

Contudo aquilo era melhor do que a morte, de modo que regressou a seu reino e começou a interrogar as pessoas.

A princesa, a rainha, as prostitutas, os monges, os sábios, o bobo da corte, em suma, a todos e ninguém soube dar uma resposta convincente.

Porém todos o aconselharam a consultar a velha bruxa, porque somente ela saberia a resposta. O preço seria alto, já que a velha bruxa era famosa em todo o reino pelo exorbitante preço cobrado pelos seus serviços.

Já perto do último dia do ano acordado, Arthur não teve mais remédio e resolveu recorrer à feiticeira. Ela aceitou dar-lhe uma resposta, com uma condição: Ela queria casar-se com Gawain, o cavaleiro mais nobre da Távola Redonda e o mais íntimo amigo do Rei Arthur!

Jovem Arthur olhou horrorizado: ela era feíssima, tinha um só dente, desprendia um fedor que causava náuseas até a um cachorro, fazia ruídos obscenos, nunca havia topado com uma criatura tão repugnante.

Acovardou-se diante da perspectiva de pedir a um amigo de toda a sua vida para assumir essa carga terrível.

Não obstante, ao inteirar-se do pacto proposto, Gawain afirmou que não era um sacrifício excessivo em troca da vida de seu melhor amigo e a preservação da Távola Redonda.

Anunciadas as bodas, a velha bruxa, com sua sabedoria infernal, finalmente disse o que realmente as mulheres querem: serem soberanas de suas próprias vidas!

Todos souberam no mesmo instante que a feiticeira havia dito uma grande verdade e que o jovem Rei Arthur estaria salvo.

Assim que ouviu a resposta, o monarca vizinho devolveu-lhe a liberdade.

Porém, que bodas tristes foram aquelas, ... toda a corte assistiu e ninguém se sentiu mais dividido entre o alívio e a angústia, que o próprio Arthur. Gawain mostrou-se cortês, gentil e respeitoso. A velha bruxa usou dos seus piores hábitos, comeu sem usar talheres, emitiu ruídos e um mau cheiro espantoso. Chegou a noite de núpcias. Quando Gawain, já estava preparado para ir para cama e aguardava sua esposa, ela apareceu como a mais linda e charmosa mulher que um homem poderia imaginar! ...

Gawain ficou estupefato e perguntou-lhe o que havia acontecido.

A jovem respondeu-lhe com um sorriso doce, que como havia sido cortês com ela, a metade do tempo apresentar-se-ia com aspecto horrível e na outra metade com aspecto de uma linda donzela.

Então ela perguntou-lhe qual ele preferiria para o dia e qual para a noite?

Que pergunta cruel,... Gawain apressou-se a fazer cálculos...

Poderia ter uma jovem adorável durante o dia para exibir aos seus amigos e à noite na privacidade de seu quarto uma bruxa repugnante ou quem sabe ter de dia uma bruxa e uma jovem linda nos momentos íntimos de sua vida conjugal.

Que é que você teria preferido? O que teria escolhido?

Nobre Gawain respondeu que a deixaria escolher por si mesma.

Ao ouvir a resposta ela anunciou que seria uma linda jovem de dia e de noite, porque ele a havia respeitado e permitido ser dona de sua vida.

Moral da história:

Não importa se a mulher é bonita ou feia, no fundo é sempre uma bruxa....

GRÁCIA MARIA T REIS - em 31/10/2007
Este comentário foi relevante? 0

A CRIATIVIDADE DE GRÁCIA MARIA É TUDO DE BOM.

TEODORO - em 18/06/2008
Vídeos - Como Fazer